Documentos:
» Pesquisar
Date Picker
» História

 INFORMAÇÃO SUMÁRIA



Padroeiro: S. Cristóvão.
Habitantes: 439 habitantes (I.N.E.2011) e 474 eleitores em 05-06-2011.
Sectores Laborais: Agricultura, pecuária e apicultura, exploração de madeira e pequeno comércio.
Festas e romarias: Senhor do Socorro (1º Domingo de Julho) e S. João da Grova (24 de Junho) .
Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Ponte do Arquinho, cruz da forca do pelourinho de Ponte de Lima, aras romanas (Ínsua), sarcófagos em pedra (Santana), igreja paroquial, Santuário do Senhor do Socorro e capelas de S. João da Grova e de Sant' Ana, Igreja paroquial e Lugares do Socorro e de S. João da Grova, belezas ribeirinhas do rio Labruja.
Gastronomia: Enchidos de porco.
Artesanato: Tecelagem e bordados em linho e mantas de lã.
Colectividades: Associação Cultural Recreativa e Desportiva, Grupo Animador da Labruja e Grupo Coral.


ASPECTOS GEOGRÁFICOS

A Freguesia de Labruja, situada na serra com o mesmo nome, dista nove quilómetros da sede do concelho, ocupa uma área de 1673 ha e é uma das maiores do concelho. Apesar disso, em 1999 pouco mais terá que 750 habitantes, contrastando com os cerca de 465 habitantes registrados nos censos de 1991.Tem por freguesias vizinhas, a norte Cunha e Romarigães do concelho de Paredes de Coura, a sul Arcozelo, a nascente Rendufe, Bárrio e Cepões, a poente Cabração. É composta pelos seguintes lugares:Antas,Arco, Bacelos, Balada, Bandeira, Bargo, Bouça, Camboa, Carvalho, Casa Branca, Codeçal, Devesa, Espinheiro, Fijô, Gávia, Igreja, Mota, Outeiro, Pessegueiros, Pedrelo, Pinheiro, Pombinha,  Ponte Nova,  Quinta, Revolta, Rua, Santana, Soutinho,  Torre, Valinhos, Vinhó de Baixo e Vinhó de Cima.
Metade da população activa ainda se dedica à agricultura mas, na sua maioria, esta é praticada a nível de auto consumo. Os outros sectores com capacidade para gerar emprego não têm relevância, devido às limitações impostas pelo PDM à área disponível para construção, a falta de uma área industrial e os difíceis acessos a Labruja são os principais responsáveis por esta situação. A freguesia é servida por um I.P. próximo e a por duas E.N. com carreiras de transportes públicos e por uma praça de táxis.
No capítulo das infra-estruturas, as carências também se fazem sentir. A rede pública de distribuição de água ao domicílio está prevista para funcionar nestes primeiros anos de inicio de milénio. Quanto ao saneamento básico, ele é inexistente. O sistema de recolha de lixo, por seu lado, serve 80% da freguesia e é feito duas vezes por semana.
Para a área do ensino, existem duas escolas públicas do 1.º ciclo, só uma das quais com refeitório. O sistema de saúde não dispõe de qualquer estrutura local pelo que os serviços médicos à população são prestados em Ponte de Lima. A situação é igual no capítulo da acção social.
Quanto à dinamização cultural, existe um polidesportivo, há uma biblioteca aberta ao público e funciona uma sala de espectáculos e um salão de festas, os quais são normalmente utilizados pela Associação Cultural, Recreativa e Desportiva de Labruja, pelo Grupo Coral e pelo Grupo Animador de Labruja.
Como pólos de atracção turística refiram-se: o Santuário do Senhor do Socorro com a respectiva festa no 1.º domingo de Julho, a Capela de S. João da Grova, a Ponte do Arquinho, a cruz da forca do Pelourinho de Ponte de Lima, os vestígios arqueológicos e finalmente, as belezas paisagísticas das margens do rio Labruja.

 RESENHA HISTÓRICA

Foi uma vigairaria de renúncia da apresentação do arcediago de Labruja, da Sé de Braga, e anteriormente do arcediago do mesmo título da Sé de Tui. Aproveitou do foral de S. Martinho, dado por D. Manuel a 2 de Junho de 1515. É povoação muito antiga, e se não existia já no tempo dos Romanos, existia com toda a certeza no tempo dos Godos. A tradição faz remontar os seus primórdios ao século IX, afirmando ter tido origem num mosteiro beneditino, fundado por D. Hermóigio, bispo de Tui. O mosteiro veio a ser extinto em 1460. A freguesia ostenta considerável riqueza patrimonial, impondo-se, todavia, dois destaques: A Ponte do Arquinho e o Santuário do Senhor do Socorro.
A Ponte do Arquinho, dos séculos XIII-XIV, sobre o rio Labruja. Tem apenas um arco, redondo e de quatro metros de lado, com aduelas características.
O Santuário do Senhor do Socorro, foco de uma afamada romaria, possui um conjunto arquitectónico que exprime o gosto cenográfico que no século XVIII caracterizou tal género de edificações. A data de 1773 inscrita na portada oferece-nos um elemento cronológico a ter em conta, relativo à época principal da construção do templo. Mas as obras continuaram, sem dúvida, por bastantes anos mais sobretudo no exterior do santuário. O amplo adro fronteiro à igreja, murado a toda a volta, apresenta uma entrada de certa ênfase, dominada por larga escadaria precedida de estátuas de anjos tocando trombetas. Varandas de balaústres, animadas por fogaréus, acompanham o lanço dos degraus. E nos muros que ladeiam a escadaria dispõem-se, em linha, estátuas alegóricas de pedra, entremeadas de vasos e fogaréus.
Ao fundo do adro ergue-se a fachada nobre da igreja, com as suas duas torres flanqueando o corpo central, no qual se desenha a cornija pontiaguda do rococó. Sob a cornija ficam as armas reais; e logo abaixo delas, por cima do pórtico do templo, rasga-se uma janela com balcão, acolitada pelas estátuas de S. Pedro e, presumivelmente, do papa Clemente XIV, em nichos.
Na igreja há talha "rocaille" do último quartel de Setecentos (nos retábulos da capela-mor, púlpitos, sanefas e grade do coro) e bem assim talha neoclássica (no sanefão do arco triunfal e no trono do retábulo-mor). Trata-se, de resto, de um templo muito simples, de uma única nave, ainda que a capela -mor possua uma pequena cúpula e lanternim. A construção actual teve uma outra a antecedê-la, donde procedem até algumas das interessantes tábuas votivas, dos séculos XVIII e XIX, que hoje vemos penduradas nas paredes.
Também se encontra na nave um projecto, aguarelado, de uma reforma do santuário, apresentado em 1854 por António Augusto Pereira, "condutor de trabalhos da Direcção de Obras Públicas de Braga". Sem originalidade, o estudo inspira-se no escadório do Bom Jesus de Braga e na igreja do Hospital de S. Marcos, na mesma cidade.
No exterior, atrás do santuário, estão a Casa da Mesa da Irmandade e o edifício dos quartéis dos romeiros que se dirigiam a Santiago de Compostela pois como se sabe Labruja está, desde sempre, no roteiro dos Caminhos de Santiago. Junto da última construção começa um escadório de vários lanços e patamares, neoclássico, que vai terminar num terreiro situado sobre uma colina. Na fachada desse escadório, dentro de uma espécie de gruta (datada de 1893), observa-se uma monumental escultura de Abel, de pedra, em que a bíblica personagem aparece coberta de peles e encostada a uma enorme maça.
Fora do recinto murado do santuário, no caminho que o contorna, restam ainda sete fornos em pedra, alguns já arruinados, onde os peregrinos de outrora assavam os tradicionais cabritos.
Ainda no que diz respeito a história da freguesia, no Inventário Colectivo dos registros Paroquiais Vol. 2 Norte Arquivos Nacionais /Torre do Tombo pede ler-se textualmente:
«O mosteiro beneditino de São Cristóvão de Labruja deve a sua fundação ao bispo de Tui, D. Hermoígio, que o mandou construir numa herdade, localizada no lugar de Labruja, pertencente ao monarca Ordonho II. Este monarca, a quem D. Hermoígio cedera o convento, veio a doá-lo à Sé de Lugo, em 915. Em 1125, D. Teresa fez doação do mosteiro e seu couto à Sé de Tui. Na divisão das igrejas e arcediagados desta diocese, em 1 de Dezembro de 1156, foram anexadas ao mosteiro as igrejas de Cepões, Rendufe e metade da de Romarigães. Em 1242, informa ainda o Padre Avelino J. da Costa, o bispo de Tui D. Lucas criou o arcediagado de Labruja, que ficou a ter cadeira na Sé de Tiu e o mosteiro por cabeça. Nas Inquirições de 1258 figura como sendo do padroado real. O mosteiro acabou por ser extinto em 1460, Cerca de 1520, no Censual de D. Diogo de Sousa, refere-se que o mosteiro fora reduzido a igreja paroquial. Era, então, cabeça do arcediagado de Labruja. Em 1546, sendo arcebispo D. Manuel de Sousa, Labruja foi avaliada com a sua anexa Cepões em 70 mil réis. O Censual de D. Frei Baltasar Limpo, na cópia de 1580, considera Labruja como paróquia, anexa perpétua ao arcediagado de Labruja e tendo anexa a metade sem cura de São Tiago de Romarigães. Segundo Américo Costa, São Cristóvão de Labruja era vigairaria de renúncia da apresentação do arcediago de Labruja da Sé de Braga e, em tempos mais remotos do arcediago do mesmo título da Sé de Tui.»   
 
Inventário do Património Arquitectónico
Informações detalhadas acerca de:
 
►Santuário do Socorro

Fontes consultadas: Dicionário Enciclopédico das Freguesias, Freguesias-Autarcas do Séc. XXI, Inventário Colectivo dos registros Paroquiais Vol. 2 Norte Arquivos Nacionais /Torre do Tombo.
 
 
 
 
 
PROFESSOR DOUTOR ANTÓNIO DE PÁDUA
 
ILUSTRE LABRUJENSE
 
 
A junta de Freguesia de Labruja, ao receber um importante documento de pesquisa e investigação sobre a vida e obra do Professor Doutor António de Pádua, natural desta Freguesia, cujo seu autor, senhor António Alves Pereira teve a amabilidade de oferecer à Freguesia, vem desta forma proceder à sua divulgação, contribuindo assim para o enriquecimento histórico e cultural de todos os visitantes deste site. O referido documento encontra-se disponível na zona "documentos".
Limpeza e manutenção da...
2014-02-06 21:10:00 Processo de consulta
Área de Lazer da Ponte d...
2013-12-28 18:26:00 Plano de Intervenção
Cemitério Paroquial...
2012-10-31 17:55:00 Actualização do Cadastro
Tempo Viana do Castelo